quinta-feira, 5 de março de 2009

Enfermeiros ameaçam com greve


Os enfermeiros consideram as propostas apresentadas pelo Ministério da Saúde “uma vergonha” e um “insulto à enfermagem portuguesa”. Como tal, ameaçam realizar dois dias de greve e uma concentração junto ao Ministério da Saúde no dia 13 de Março se a ministra da saúde não tiver em conta as propostas dos profissionais de saúde para a revisão do estatuto da carreira .
Os quatro sindicatos representantes dos enfermeiros portugueses afirmaram esta manhã não abdicar dos três princípios estruturantes para a futura carreira e acrescentam um quarto princípio, o da descategorização dos actuais enfermeiros da área de gestão, por o considerarem igualmente “inegociável”.
Assim sendo, os sindicatos defendem a consagração de uma carreira única, com “apenas uma categoria de enfermeiros” e criticam a grelha salarial proposta pela ministra da saúde, Ana Jorge, uma vez que “o Ministério da Saúde propôs uma grelha salarial inferior àquela que o Governo, por lei, consagrou para os restantes licenciados da Administração Pública”, segundo José Carlos Martins, representante do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses. Com esta medida, “só no fim de cinquenta anos de exercício é que os profissionais poderão atingir o topo da primeira categoria de enfermeiro, o que é impraticável”, referiu o representante sindical. (correio da manhã)

5 comentários:

Anónimo disse...

ESTE GOVERNO É UMA VERGONHA.
ESTA PROPOSTA É UM INSULTO AOS ENFERMEIROS.
ELES VÃO TER A RESPOSTA QUE MERECEM...

Anónimo disse...

Vi no cogitare em saude

Inundemos com cartas de protesto perante a Carreira de Enfermagem indigna proposta! Terão que nos ouvir…


Dando lugar a uma sugestão que aqui nos foi dada consideramos que não podemos descurar nenhuma possibilidade para que as forças politicas acordem ao que estão a fazer à maior e à mais cumpridora classe de profissionais em Saúde.

Apelamos a que publiquem este Post nos vossos blogs, transmitam-no via email e copiem a carta que vos deixamos (ver em baixo) para os seguintes sites, Fax ou email…

Carta para o Presidente da Republica (link- cliquem aqui) )

Carta ao Governo (link - cliquem aqui)

Ministra: Ana Jorge Morada : Av. João Crisóstomo, 9, 6º -1049-062 Lisboa
Tel.: 213 305 000 Fax: 213 305 175
Correio electrónico: gms@ms.gov.pt

Deste modo, voltamos a mostrar toda a nossa indignação. Várias foram as promessas sucessivas de que Enfermagem veria ser reposto o seu valor a carreira de Licenciados. Já estamos fartos de esperar, por isso deixamos este documento que caso assim entenderem só têm que assinar e enviar por mail ou fax para o Ministério da Saúde.


“Sra. Ministra da Saúde
EU, INDIVIDUALMENTE, TAMBÉM CONTESTO!

No passado dia 20 de Fevereiro, durante a Greve Nacional de Enfermeiros, a Sra. Ministra da Saúde anunciou e, finalmente, concretizou o envio, aos Sindicatos, da proposta reformulada, cujo compromisso tinha assumido no dia 29 de Dezembro de 2008.

Na proposta constato, e no que diz respeito a estes 4 princípios:

1. UMA CARREIRA PARA TODOS OS ENFERMEIROS – face a esta reivindicação, justa, o Ministério assume que a mesma apenas está dependente de uma decisão politica, razão pela qual propõe que os actuais enfermeiros, a contrato individual de trabalho por tempo indeterminado possam optar pelo que vier a ficar regulamentado neste decreto-lei. Contudo, isso não é suficiente! Nós, enfermeiros, não aceitaremos a manutenção de qualquer tipo de discriminação e, na realidade, o que a Sra. Ministra está a propor é o seu aprofundamento, porque, no âmbito da sua opção, estão vedadas todas as restantes regras aplicáveis aos colegas com contrato de trabalho em funções públicas e, inadmissivelmente, nada disto é possível para os futuros enfermeiros.2. UMA CARREIRA COM UMA ÚNICA CATEGORIA – a Sra. Ministra ao manter uma proposta com duas categorias, insuficientemente justificada com supostos conteúdos funcionais diferentes, contrários ao que hoje está legalmente consagrado no REPE, no Decreto de Lei que transforma a formação dos enfermeiros em Licenciatura e no Código Deontológico revela apenas ter um objectivo: IMPEDIR O DESENVOLVIMENTO DOS ENFERMEIROS NO LEQUE SALARIAL QUE O ACTUAL GOVERNO CONSIDEROU SER O MAIS JUSTO PARA REMUNERAR OS LICENCIADOS.

3. DESCATEGORIZAÇÃO DOS ACTUAIS ENFERMEIROS DA ÁREA DA GESTÃO – se a anterior proposta já era por nós considerada uma vergonha e um “atentado” à profissão, para esta só encontramos adjectivos num léxico pouco propício. Aos enfermeiros que estão, hoje, nas categorias de gestão da actual carreira de enfermagem, independentemente do que se tenha de reflectir sobre as práticas profissionais, foi exigido sempre concursos de acesso às categorias superiores; no acesso à categoria de enfermeiro graduado até 1988 para além do concurso era exigido um exame escrito de estudo obrigatório de 12 temas dos quais era escolhido 1 pelo júri. Para acesso à categoria de Enfermeiro Especialista era exigido, até 1991, nota positiva no exame de acesso à especialidade (a partir desta data passou a ser exigido a avaliação curricular), frequência da especialidade e posterior concurso de acesso à categoria, primeiro com exame escrito e depois com apreciação curricular. Para acesso à categoria de Enfermeiro Chefe e Supervisor era necessário a frequência dos cursos de Administração, concurso, apreciação e discussão curricular e, em muitos casos, avaliação do perfil psicológico. É DE TODO ESTE PERCURSO, INTRINSECAMENTE LIGADO AO DESENVOLVIMENTO DA PROFISSÃO que não é de todo admissível esta proposta da Sra. Ministra.

4. GRELHA SALARIAL – é inadmissível que a Sra. Ministra esteja a propor aos enfermeiros uma remuneração de ingresso na actividade abaixo daquela que o Governo, por lei, consagrou para os restantes Licenciados da Administração Pública. É intolerável que a Sra. Ministra apresente uma proposta que coloque o topo da carreira dos enfermeiros abaixo do topo da actual carreira de técnico superior. É insustentável que a Sra. Ministra queira perpetuar a discriminação do reconhecimento do valor social do trabalho dos enfermeiros e, mais grave, que inadmissivelmente diminua, na proposta que se pretende para e com futuro, as expectativas de desenvolvimento salarial quando a comparamos com a actual Carreira de Enfermagem.

Porque o que está em causa é a Profissão de Enfermagem e o seu Desenvolvimento;
Porque o que está em causa é o reconhecimento do grau académico e do valor social da profissão;

Porque não posso continuar a aceitar qualquer tipo de discriminação para e entre os enfermeiros, quer já estejam no exercício ou para os futuros,
CONTESTO E REPUDIO VEEMENTEMENTE A PROPOSTA QUE NOS ENVIOU!

NEL disse...

A GUERRA contra a descriminação da enfermagem começou!


NÃO VOTEM PS!! NÃO VOTEM PS!!

NÃO VOTEM PS!! NÃO VOTEM PS!!

NÃO VOTEM PS!! NÃO VOTEM PS!!

Anónimo disse...

Vamos todos lutar contra esta pouca vergonha todos juntos... juntos vamos conseguir, greve mais greve mais greve até as estatisticas dos hospitais estarem de rastos... e aí sim a miniostra vai ver quem é que os enfermeiros são

Anónimo disse...

finalmente vejo os enfermeiros unidos por uma causa

a ministra vai engolir esta proposta...